terça-feira, 26 de julho de 2011

A Vida nos engenhos de farinha - Vila de Nossa Senhora do Desterro

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

© Milton Ostetto
(clic nas imagens para ampliar)

Em Florianópolis, desde 1666 se tem notícias de que havia lavouras e construções de engenhos, quando se iniciou o processo de colonização do Rio Vermelho, onde se originou uma das três mais antigas freguesias da Ilha, fundada por açorianos, em 1750. A localidade foi rica em engenhos de farinha e de açúcar  e próspera no cultivo da terra e na pesca. Eram produzidos também tecidos de algodão, em teares rudimentares, nos séculos XVIII e XIX. Também Sambaqui, Sertão da Lagoa do Peri e Ribeirão da Ilha tiveram seus engenhos. Os açorianos tiveram de se adaptar ao consumo da mandioca. O beijú foi o alimento que salvou a necessidade básica desses colonos. Aprenderam o cultivo da mandioca e sua utilização como alimento e ainda a extrair também o polvilho com o qual produzem roscas, broas e outras iguarias. Com a tecnologia que conheciam, dos moinhos de vento, criaram adaptações para que fossem movimentados os engenhos, utilizando-se da força de um boi. A criação desse processo de beneficiamento da mandioca, já no final do século XVIII, levou a antiga Vila de Nossa Senhora do Desterro, na Ilha de Santa Catarina, a exportar excedentes de farinha de mandioca e polvilho para o Rio de Janeiro e para a província de São Pedro do Rio Grande do Sul.

7 comentários:

  1. HOLA QUE TAL. ISTO É O RETRATO DA CULTURA. PARABENS.

    ResponderExcluir
  2. Lindas fotos. Elas mostram muito bem o que seu lindo texto quis passar para o leitor.
    Beijos e um ótimo dia para vc.

    ResponderExcluir
  3. Fascinating Pictures.
    It has been delightful
    to visit your gallery.
    Good Creations

    ResponderExcluir
  4. Bellísimas fotos. Me encantan este tipo de reportajes sociales que reflejan estilos de vida. Saludos.

    ResponderExcluir
  5. good photography
    congratulations
    :)

    ResponderExcluir
  6. ´Gostei do seu blog, é simplismente vida. É a vida desfilando em nossos olhos. É um chamado para viver.

    Belíssimas fotos, belíssimos momentos, muita sensibilidade.

    abraço

    ResponderExcluir